Isis Breves

Saúde Coletiva

Por Isis Breves

Vem Verão: Com a estação mais amada do carioca, vem o risco de epidemia de Chikungunya

chikungunya

A Secretaria Estadual de Saúde do Estado do RJ divulgou que até dia 27 de novembro, foram notificados 16.157 casos de chikungunya na Região Metropolitana II do Estado, com oito mortes em consequência da doença; 7.799 casos no Norte Fluminense, 1.140 casos na Região da Baixada Litorânea; 1.723 casos na região Noroeste Fluminense e 8.997 casos no município do Rio.

A Fiocruz e a Secretaria de Estado de Saúde do RJ alertam para a possibilidade de uma epidemia de Chikungunya e para o aumento de casos de febre amarela no verão de 2019. Para se ter ideia, em 2017 foram notificados 4.425 casos notificados de chikungunya e em 2018 de janeiro a outubro a notificação foi de cerca de 37 mil casos da doença no estado.

Como estratégia, a Fiocruz e a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro – em parceria com o Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (Cosems), a Associação dos Prefeitos e Municípios do Rio de Janeiro (Aemerj) e a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS), promoveram o evento nesta quarta-feira, dia 12/12, Febre Amarela e Chikungunya – Desafios e Perspectivas do Verão 2018 e 2019 – para fortalecer a capacidade de resposta da área de saúde diante do cenário epidemiológico de chikungunya e febre amarela no Rio de Janeiro.

Importante alertar a população que a doença é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo mosquito transmissor da dengue.  Por isso, devemos redobrar os cuidados para evitar água parada, que favorece a reprodução do mosquito.

Além disso, ficar em alerta aos sintomas da doença: a febre chikungunya é alta e causa dores articulares intensas, mas decorrentes de um processo inflamatório articular, atingindo muitas articulações do corpo e, em geral, comprometendo a realização de atividades cotidianas pelas pessoas infectadas, como sair da cama sozinha, tomar banho e fechar as mãos, por exemplo. A orientação do Ministério da Saúde(MS) é procurar pelo serviço de saúde mais próximo, em caso de quaisquer desses sintomas.

O MS tem disponível o Guia de Manejo Clínico de Chikungunya que pode ser acessado no através do link:

http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/dezembro/25/chikungunya-novo-protocolo.pdf

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *