Notícias

Suicídio de policiais supera mortes em operações no país, aponta relatório

Em 2018, 104 agentes tiraram a própria vida, segundo dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Taxa saltou 42,5% em comparação a 2017

x84548823_PA-Sao-PauloSP12-09-2019-Antonio-Figueiredo-Sobrinho-estava-no-efetivo-da-PM-e-fazi.jpg.pagespeed.ic.y_82vukzJ3

O soldado Antônio Figueiredo Sobrinho perseguia um suspeito durante um bico de vigia quando levou um tiro nas costas, vindo do comparsa do bandido. Na época com 26 anos, casado e pai de dois bebês, ficou paraplégico. Desesperado com a nova condição, em um ano tentou duas vezes acabar com sua vida. À noite, sozinho no quarto, chegou a engatilhar a arma que usava e apontar para a cabeça. Desistiu em ambas as ocasiões.

— Achava que, tirando minha vida, estaria tudo resolvido. Não traria mais vergonha para minha família. Não teria mais de ver meus filhos passando necessidade, nem meus colegas organizando vaquinha para fazer compra para mim — lembra o soldado.

Histórias como a de Sobrinho estão por todo o Brasil. Em 2018, policiais civis e militares cometeram mais suicídios do que morreram em serviço, segundo dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, lançado na última terça-feira. Foram 104 suicídios no país, o equivalente a dois policiais mortos a cada semana. O número saltou 42,5% em comparação a 2017, ano que registrou 73 casos. No último ano, 87 policiais foram vítimas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) — em geral, durante confrontos com bandidos.

Mito do policial herói

Elisandro Lotin, presidente do Conselho de Administração do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, responsável pelo levantamento, diz que o mito do policial herói, tido como imune a problemas, as condições estressantes da atividade e a indiferença do Estado diante dos altos índices de suicídios explicam o fenômeno:

— De um lado, o policial não pede ajuda para evitar ser visto como o fresco, o mole. Em alguns lugares, quem se afasta para se tratar tem até perda salarial. Do outro, a maioria dos estados não tem um corpo de psicólogos e psiquiatras para cuidar dos policiais. Ou tem um puxadinho ou nem tem.

É a primeira vez que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública reúne dados nacionais sobre suicídios de policiais. Segundo Lotin, apesar de altos, os índices não refletem a realidade. Ele diz que há muitos estados que ainda não reportam as estatísticas, a fim de esconder o problema e se isentar de propor uma solução. Outros, sequer contabilizam. Os suicídios, portanto, são subnotificados.

O aumento de suicídios entre policiais não é um fenômeno brasileiro. Estudo da Ruderman Family Foundation mostrou que mais policiais morreram por suicídio do que no exercício da profissão nos Estados Unidos. Em 2017, 140 policiais tiraram suas vidas e 129 morreram em serviço. Os pesquisadores alertaram que o suicídio é resultado de uma combinação de transtornos mentais, incluindo depressão e estresse pós-traumático. Naquele país, a taxa de suicídio entre policiais é de 17 casos a cada mil habitantes. Para um cidadão comum, cai para 13. 

Um estudo ainda inédito da Ouvidoria da Polícia de São Paulo, com previsão de lançamento para o fim deste mês, revela que a maioria dos suicídios no estado é cometida por policiais da base das corporações — soldados, cabos, sargentos e subtenentes, no caso da Polícia Militar; e investigadores, papiloscopistas, agentes, escrivães, entre outros, no da Civil —, com idade entre 30 e 45 anos. Em 85% dos casos, o objeto usado é a arma de fogo.

— O uso da arma é uma característica do suicídio policial. Mesmo entre os aposentados, a taxa é de 83%. Na sociedade como um todo, o número não chega a 50% — diz o ouvidor Benedito Mariano, responsável pelo levantamento.

Mariano defende que, “assim como oferecem viaturas e coletes à prova de balas”, as instituições deveriam ter programas sistêmicos de saúde mental. O estudo a ser lançado em breve fará de oito a dez recomendações nesse sentido para a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Até ser alvejado, o soldado Sobrinho tinha uma vida dinâmica, gostava de jogar bola e de correr. Na época da tragédia, por ter sido baleado fora do horário de serviço, diz não ter recebido apoio psicológico da corporação nem ajuda financeira. Hoje com 56 anos, é presidente da Associação dos Policiais Militares Portadores de Deficiência do Estado de São Paulo (APMDFESP). Usa sua experiência para evitar que colegas de farda repitam sua história.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou, por nota, que a PM conta com o Sistema de Saúde Mental, que disponibiliza psicólogos e assistentes sociais em todo o estado. Segundo o órgão, faz parte do sistema, o Centro de Atenção Psicológica e Social (CAPS) e 35 Núcleos de Atenção Psicossocial (NAPS), com programas preventivos na área de saúde mental, palestras, atendimentos psicológicos individuais e em grupos. Já a Polícia Civil possui a Divisão de Prevenção e Apoio Assistencial, no Departamento de Administração e Planejamento (DAP), na qual psicólogos e assistentes sociais também ficam disponíveis para atender seus policiais, ainda de acordo com a SSP.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *