Opinião

Saúde pública deteriorada

Sem aumento de verbas, é urgente que o país utilize melhor os recursos existentes

unnamed (2)
Cláudia Collucci
Jornalista especializada em saúde, autora de “Quero ser mãe” e “Por que a gravidez não vem?”.

Quando meu avô paterno sofreu um AVC (acidente vascular cerebral) na década de 1960, a família vendeu bois para pagar honorários médicos. A assistência era assim: ou se pagava ou, com sorte, se obtinha por meio de caridade.

Com a Constituição de 1988 e a criação do SUS, a saúde passou a ser direito de todos e dever do estado, embora as limitações sejam bem conhecidas.

A trajetória do maior sistema universal de saúde do mundo foi analisada em estudo inédito liderado pela Universidade Harvard e publicado na revista Lancet na semana passada.

São pontuadas conquistas, como aumento do acesso à saúde e queda da mortalidade, e traçados quatro cenários diante de gastos públicos mais restritos: o atual, com transferências no nível de 2015 e sem aumento do financiamento, e outros associados ao crescimento do PIB em 1%,2% e 3%.

Para cada cenário, foi simulado o desempenho de quatro indicadores de saúde até 2030: taxa de mortalidade infantil, consultas de pré-natal, cobertura do programa saúde da família e mortalidade por doenças cardiovasculares.

O estudo aponta que, sem aumento de verbas, há deterioração dos indicadores de saúde, com maior impacto entre os municípios menores. As novas políticas ambientais, educacionais e de saúde do governo de Jair Bolsonaro (PSL) também têm potencial de reverter as conquistas do SUS, segundo os autores.

Na falta de dinheiro novo no front, é urgente que o país utilize melhor os recursos existentes. Um dos caminhos seria aprimorar a coordenação entre os setores público e privado de saúde.

O particular era para ser suplementar ao público, como em outros países com sistemas universais de saúde. Mas sempre competiu com o SUS por recursos financeiros, médicos, tecnologia entre outros, levando à duplicação na produção de serviços. O diagnóstico é antigo, mas cadê vontade política para meter a mão nessa cumbuca?

 

Um comentário em "Saúde pública deteriorada"

  1. Acyr Cunha disse:

    A criação do SUS após a Constituição de 1988 que previa a saúde é direito do cidadão e dever do estado, a universalização do acesso a saúde foi um direito de todos.
    Antigamente existiam as CAIXAS, depois INSTITUTOS que foram fundidos no INAMPS, mas, era para atender quem tinha a carteira de trabalho assinada.
    As Santas Casas atendiam os “indigentes” e os prono socorros as emergências.
    Com a UNIVERSALIZAÇÂO da assistência pública, todos teriam direito a atendimento na rede do SUS. Só que nunca houve financiamento governamental adequado para atingir toda a população com assistência de qualidade.
    Surgiram as empresas de planos de saúde, a chamada saúde suplementar, para quem quisesse pagar para ser atendido em rede credenciada ou própria.
    Na verdade, deixou de ser SUPLEMENTAR para concorrer com o SUS.
    É evidente a deficiência de gestão e de financiamento dos SISTEMA PÚBLICO.
    Urge uma adequação do projeto inicial do SUS para o momento atual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *