Notícias

Redução do tabagismo no Brasil é destaque internacional

images (2)
Por Maylaine Nierg

O esforço para o combate ao tabagismo no Brasil foi reconhecido na Assembléia Geral das Nações Unidas, realizada no dia 23 de setembro, em Nova Iorque (EUA). O Ministro da Saúde Henrique Mandetta representou o país na Cerimônia no recebimento do Prêmio Força-Tarefa Interagências da ONU. A premiação de deve a contribuição do país com os objetivos da ONU para o Desenvolvimento Sustentável para a saúde, estabelecidos em 2015, que visa melhores condições para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade até 2030.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil reduziu o número de fumantes em 40% nos últimos doze anos, fazendo com que taxa de fumantes da população caísse de 15,6% em 2006 para 9% em 2018. Durante seu discurso na premiação, Mandetta destacou que esse resultado no combate ao fumo no país é inédito, sendo a primeira vez que o país reduziu a porcentagem de fumantes para um dígito.

“Conseguimos chegar a 9% de pessoas que fumam no país graças a nossa luta contra o tabaco por quase 20 anos”, afirmou. “Nós seremos o primeiro país livre do tabaco no mundo. E isso é algo que somente a cobertura universal em saúde e o apoio da sociedade pode fazer”, ressaltou o ministro Mandetta.

Nesse cenário houve destaque para os esforços da CONICQ (Comissão Nacional de Implementação da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco e seus Protocolos no Brasil), que é presidida pelo Ministério da Saúde e lidera as iniciativas de prevenção e controle desse problema. 

A função da CONICQ é promover o desenvolvimento, a implementação e a avaliação de estratégias, planos e programas, bem como políticas, legislações e outras medidas que contribuem para o cumprimento de metas da organização Mundial da Saúde no controle desse problema. 

O Ministério da Saúde, em sua página oficial, destacou que esse avanço no combate ao tabaco contribui para redução de outro problema grave de saúde, que é o câncer de pulmão. A previsão é que a mortalidade por esse tipo de câncer entre mulheres no país vai encerrar uma tendência histórica de elevação em 2020, se estabilizando. Esses dados estão presentes no estudo A curva epidêmica do tabaco no Brasil: para onde estamos indo?, elaborado pelo INCA. 

Os benefícios da redução do tabagismo são amplos, uma vez que o uso de cigarros está associados inúmeros riscos á saúde como doenças do coração, riscos à gravidez e uma série de doenças pulmonares. A ideia é que esforço conjunto da população com as três esferas governamentais (federal, estadual e municipal), resulte numa redução ainda maior desses dados. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *