Opinião

País sem ciência, País sem saúde

Não pen­sar e não in­ves­tir na ci­ên­cia é a tra­di­ção da po­lí­ti­ca

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, as di­re­ções da Ca­pes (Co­or­de­na­ção de Aper­fei­ço­a­men­to de Pes­so­al de Ní­vel Su­pe­ri­or) e pos­te­rior­men­te do CNPq (Con­se­lho Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Ci­en­tí­fi­co e Tec­no­ló­gi­co) vi­e­ram a pú­bli­co aler­tar que com as pre­vi­sões or­ça­men­tá­rias pa­ra 2019, bol­sas de es­tu­do e fi­nan­cia­men­to de no­vas pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas no pa­ís se­ri­am cor­ta­dos. Com a cri­se aber­ta no meio ci­en­tí­fi­co e nas uni­ver­si­da­des de to­do o pa­ís, lo­go o go­ver­no afir­mou que as bol­sas da Ca­pes es­ta­rão ga­ran­ti­das pa­ra 2019.

Fa­to é que o ca­so é gra­ve, gra­vís­si­mo. A ci­ên­cia bra­si­lei­ra es­tá em ris­co, co­mo diz o do­cu­men­to do CNPq. E eu di­ria que o des­ca­so com a ci­ên­cia é uma pa­to­lo­gia crô­ni­ca da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. A li­ga­ção é di­re­ta: um pa­ís sem ci­ên­cia, é um pa­ís sem sa­ú­de. Is­so pa­ra fi­car res­tri­to à sa­ú­de, mas não é o úni­co se­tor afe­ta­do.

Os cor­tes pa­ra as ins­ti­tu­i­ções de fo­men­to po­dem ul­tra­pas­sar R$ 1,3 bi­lhão no pró­xi­mo ano, e o pre­ju­í­zo pa­ra a sa­ú­de é in­cal­cu­lá­vel, já que mi­lha­res de pro­je­tos ci­en­tí­fi­cos que bus­cam tra­ta­men­tos e cu­ras pa­ra as mais di­ver­sas do­en­ças se­rão pa­ra­li­sa­dos ou aban­do­na­dos. A pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca é sem dú­vi­da uma me­di­da pre­ven­ti­va no cam­po da sa­ú­de, já que ao in­ves­tir em pes­qui­sas, es­ta­re­mos eco­no­mi­zan­do gas­to pú­bli­co fu­tu­ro com pos­sí­veis epi­de­mi­as evi­tá­veis, ca­so a pes­qui­sa es­ti­ves­se sen­do va­lo­ri­za­da e fi­nan­cia­da.

Pa­ra se ter uma ideia, no ano pas­sa­do nós ti­ve­mos o re­co­nhe­ci­men­to de pa­ten­te de um me­di­ca­men­to pa­ra o tra­ta­men­to de he­man­gi­o­ma e o per­cur­so pa­ra o re­co­nhe­ci­men­to des­se tra­ba­lho foi len­to, du­rou lon­gos 15 anos. Co­me­ça­mos a usar o me­di­ca­men­to pa­ra o tra­ta­men­to dos he­man­gio­mas aqui no Hos­pi­tal Ma­ter­no In­fan­til em 2002, vi­ra­mos re­fe­rên­cia mun­di­al no tra­ta­men­to nes­se ti­po de tu­mor. Ocor­re que to­da a pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca foi fei­ta sem fi­nan­cia­men­to de agên­cias de fo­men­to e con­ta­mos com o apoio, à épo­ca, do go­ver­no es­ta­du­al por ini­ci­a­ti­va in­di­vi­dual nos­sa. Com or­gu­lho, não ti­ve­mos fi­nan­cia­men­to de ne­nhum la­bo­ra­tó­rio ou gran­de in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca, de­sen­vol­ve­mos o me­di­ca­men­to pe­la ne­ces­si­da­de de tra­ta­men­to da so­ci­e­da­de no ser­vi­ço pú­bli­co de nos­so es­ta­do.

Ocor­re que o ce­ná­rio po­de­ria ser to­tal­men­te ou­tro. Não de­pen­de­rí­a­mos de lon­gas ba­ta­lhas in­di­vi­dua­is no mun­do ci­en­tí­fi­co, ca­so con­tás­se­mos com uma po­lí­ti­ca sis­te­má­ti­ca e ou­sa­da de fi­nan­cia­men­to de pes­qui­sa por ór­gã­os fe­de­ra­is co­mo CNPq e Ca­pes. Mas es­ta nun­ca foi o in­te­res­se re­al dos su­ces­si­vos go­ver­nos até o atu­al.

Não pen­sar e não in­ves­tir na ci­ên­cia é a tra­di­ção da po­lí­ti­ca que ho­je ca­du­ca e des­per­ta o des­pre­zo da po­pu­la­ção. Edu­ca­ção e sa­ú­de são du­as áre­as que po­dem e de­vem ca­mi­nhar jun­tas, ca­so con­trá­rio se­rão po­lí­ti­cas pú­bli­cas ca­pen­gas. Se­gui­re­mos tra­ba­lhan­do e ba­ta­lhan­do pa­ra que no­vos ares aden­trem e fa­çam a di­fe­ren­ça na po­lí­ti­ca, com o com­pro­mis­so e a ex­pe­ri­ên­cia de quem sem­pre de­di­cou a vi­da em prol do ser­vi­ço pú­bli­co. E a pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca é pe­ça cha­ve pa­ra qual­quer no­va po­lí­ti­ca que se quei­ra im­ple­men­tar.

(Za­cha­ri­as Ca­lil, mé­di­co ci­rur­gi­ão pe­di­á­tri­co e pes­qui­sa­dor)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *