Notícias

Obesidade atinge 54% da população brasileira

Por: Equipe da Redação

O Dia Nacional de Prevenção da Obesidade, celebrado no dia 11 de outubro, tem como objetivo incentivar o debate sobre o tema e ações para melhora da qualidade de vida, com mudanças de hábitos alimentares e prática de atividade física. Esclarecer que a obesidade é uma doença e, que exige prevenção, especialmente na faixa da infância. As crianças obesas, se não tratadas, poderão vir a ser adultos obesos, com maior probabilidade de desenvolver diabetes, doença cardíaca, altas taxas de câncer e outros problemas de saúde.

A obesidade é uma doença crônica que se caracteriza principalmente pelo acumulo excessivo de gordura corporal. A doença é causada pelo sedentarismo e consumo exagerado de alimentos ricos em gordura e em açúcar. Segundo dados do Ministério da Saúde, a doença já atinge mais da metade da população brasileira e, na população adulta, 12,5% dos homens e 16,9 % das mulheres apresentam obesidade.

Segundo dados da Organização, mais de 42 milhões de crianças menores de 5 anos estão acima do peso no mundo, das quais 35 milhões estão em países em desenvolvimento.  No Brasil, dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008- 2009) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram um aumento da obesidade de mais de 300% entre meninos, indo de 4,1% em 1989 para 16,6% em 2008-2009.

 Entre as meninas esta variação foi ainda maior: 2,4% em 1989 para 11,8% em 2009. Estudos populacionais mostram que a criança obesa tem de 50% a 80% de chance de se tornar um adulto jovem obeso comparado ao risco menor de 10% em crianças com peso adequado.

No Brasil, os números atuais mostram que a obesidade já é um problema de saúde pública. “O excesso de peso acomete 40% da população brasileira, aumentando o risco de doenças como pressão altadiabetes, colesterol alterado entre outras”, afirma o presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), Dr. Márcio Mancini, responsável pelo Departamento de Obesidade da SBEM.

O diagnóstico da doença é feito através do cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) que avalia a relação entre o peso e a altura. Quando o IMC é maior do que 30, a pessoa é considerada obesa. Quanto maior o índice, mais chances do paciente desenvolver diabetes, problemas cardiovasculares e nas articulações, hipertensão arterial e depressão, problemas diretamente ligados à pior qualidade de vida e menor longevidade.

Tratamento e prevenção

 O tratamento tem etapas como a reeducação alimentar, mudanças de hábitos e a prática de  atividades físicas. Em alguns casos, o uso de medicamentos pode ser indicado pelo médico. Nos casos mais extremos, quando não houver sucesso após dois anos de tentativas de redução de peso com exercícios e mudanças de hábitos alimentares, o profissional deve avaliar se o paciente atende aos requisitos para a realização da cirurgia bariátrica. “Para diminuir índices tão severos, é importante que haja conscientização dos perigos que o excesso de peso pode causar”, explica o endocrinologista Clemente Manuel Souza Melo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *