Opinião

Medicina a distância reduz fila de espera por especialista no SUS

Profissionais aconselham colegas por telefone em ação que será ampliada

distância
Central de atendimento remoto na sede do programa, também em Porto Alegre /Marcos Nagelstein/Folhapress
Por: Cláudia Collucci
Folha de São Paulo – 24/06/2018

Ao examinar o aposentado Ademar Guedes em um posto de saúde da cidade de Benedito Novo (SC), a médica Jaqueline Menegasso fica em dúvida se prescreve ou não um trombolítico, medicamento usado para dissolver coágulos sanguíneos.

Guedes, 63, se submeteu a uma cirurgia de quadril há dois meses e se queixa de inchaço nas pernas. A médica faz uma ligação e é atendida pela cardiologista Priscila Raupp, que está a 627 km, em Porto Alegre (RS).

“Ele sente dores, a perna está quente? ”, indaga Priscila, olhando os dados do paciente no computador. Após várias perguntas, a cardiologista não vê necessidade de receitar o remédio, que aumenta o risco de sangramento.

Recomenda apenas que Guedes use meias de compressão e faça exercícios para as pernas. “Obrigada, me ajudou muito”, responde a colega.

Teleconsultorias têm sido usadas como forma de aumentar a efetividade da atenção primária à saúde e reduzir as longas filas de espera por especialistas no SUS.

O serviço é oferecido por um programa ligado à UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), com apoio do governo gaúcho e subsidiado pelo Ministério da Saúde.

Em cinco anos, o TelessaúdeRS fez mais de 90 mil consultorias por telefone de médicos de todo o país com índice de resolução de 62%. Ou seja, 6 em cada 10 casos clínicos atendidos no programa são resolvidos no posto de saúde, sem necessidade de encaminhamentos a especialistas.

Médicos, dentistas, pessoal da enfermagem e demais profissionais na ponta do SUS podem usá-lo em dias úteis no horário comercial. A ligação para 0800-644-6543 é gratuita.

A sala de teleatendimentos, na região central de Porto Alegre, lembra uma central de telemarketing. Há 53 profissionais —médicos de 15 especialidades, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas e farmacêuticos.

“A gente responde a qualquer dúvida médica. Recebemos uma imagem de uma lesão de pele, por exemplo, e já se discute na hora com o dermatologista. O profissional que usa o serviço vira cliente”, diz Roberto Umpierre, coordenador do TelessaúdeRS.

O programa também regula a lista de espera por especialistas no interior gaúcho e obteve redução de 47% da fila —de 170 mil para 90 mil pessoas. Há déficit de 3.000 a 5.000 consultas por mês.

A partir de julho o serviço de regulação da fila será replicado em cinco capitais (Porto Alegre, Rio, Manaus, Maceió e Brasília). O lançamento ocorre nesta quinta-feira (28).

Juntas, essas cidades têm filas de mais de 500 mil pessoas em 14 especialidades, entre elas neurologia, endocrinologia e cardiologia.

Entre os parceiros do projeto está o Hospital Sírio-Libanês (SP), que investirá R$ 37 milhões oriundos do Proadi-SUS, um programa do Ministério da Saúde em que hospitais filantrópicos recebem isenção fiscal federal em troca de parcerias com o SUS.

“Existem filas de espera por especialistas que não são nem muito reais. Nos mutirões, encontramos pessoas que não precisavam daquele exame ou tratamento que estavam esperando”, diz Paulo Chapchap, diretor-geral do Sírio.

Outro problema é que essas filas, em geral, não levam em conta a gravidade dos casos. “Há pessoas em estado grave no meio de outras não graves e que ficavam esperando muito tempo, piorando a condição clínica. Com a regulação [no RS], diminuiu o tempo de espera”, diz Roberto Umpierre.

No interior gaúcho, após a regulação, foi possível reduzir o tempo na fila de espera em 60%, em média. A demora para conseguir um neurologista, por exemplo, caiu 90% (de 647 dias para 67 dias). Na pneumologia, a redução foi de 89% (256 para 28 dias).

A regulação funciona assim: um núcleo de médicos do TelessaúdeRS avalia os pedidos de encaminhamento a especialistas, priorizando os casos mais urgentes. A análise se baseia em protocolos clínicos para 250 doenças, como diabetes, hipertensão, insuficiências cardíaca e renal crônica.

Quando há dúvida sobre a necessidade do atendimento especializado, o núcleo entra 
em contato com o médico do posto e rediscute o caso.

No entanto, a estratégia tem limitações. Não consegue resolver filas de espera por procedimentos mais complexos quando o município não dispõe de uma rede adequada.

“A telemedicina é excelente ferramenta para a atenção primária, mas não resolve tudo. O paciente que precisa de alguns serviços especializados e cirurgias eletivas continua no limbo”, afirma o médico Gustavo Gusso, professor de clínica médica da USP.

Em Porto Alegre, que só agora terá a fila regulada, há mais de 90 mil pessoas à espera de especialistas. Outras 9.000 aguardam cirurgias gerais.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Erno Harzheim, a desatualização da tabela SUS e a desorganização na rede explicam em grande parte as filas de espera na média e alta complexidade.

Ele afirma que a atual gestão está renegociando contratos com prestadores de serviços, além de ampliar hospitais próprios, o que deve aumentar a oferta de exames e cirurgias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *