Destaques

Grávidas podem ter direito a vale-taxi para ir à maternidade na hora do parto

bolsa-gestante-do-governo-federal-quem-tem-direito-como-funciona

A hora do parto é um momento muito delicado para uma gestante e todos os cuidados são fundamentais para que o bebê possa vir ao mundo com saúde. Por isso, a ida até a maternidade também precisa de uma atenção especial. Com o intuito de garantir o deslocamento seguro da mulher grávida de sua casa até o hospital ou à maternidade pública do município do Rio de Janeiro, o vereador Marcelino D’Almeida apresentou o Projeto de Lei Nº 1689/2015, que cria o “Vale táxi gestante”.

O beneficio é extensivo à mulher que fez o acompanhamento da gravidez em unidade de saúde pública da Prefeitura, e garante que na hora do parto a grávida tenha o transporte de ida e volta até o hospital ou maternidade pública. A iniciativa soma-se ao projeto Rede Cegonha, lançado pelo Governo Federal em 2011, que tem como uma das propostas a de assegurar às crianças o direito ao nascimento seguro.

“O objetivo é minimizar a possibilidade de acidentes que podem vir a comprometer a saúde do bebê ou da mãe. Muitas gestantes não possuem veículo particular e, desprovidas de recursos para contração de um táxi, resta à utilização do transporte público ou a espera por uma ambulância, o que pode ser demorado em função das demandas de rotina da cidade”, explica o vereador.

A unidade de saúde pública que acompanha a gravidez ficará responsável pela concessão do “Vale táxi gestante” para ser apresentado ao taxista participante do programa. Também deverá fazer o cadastramento dos motoristas, com a identificação do veículo, nome do taxista, horário de trabalho e número do telefone celular. O Projeto de Lei já Recebeu parecer Pela Constitucionalidade da Comissão de Justiça e Redação e aguarda parecer das demais comissões.

 “A presente proposição visa ampliar a rede de acolhimento ao parto humanizado, dando à mulher gestante carente, que é aquela que mais necessita de amparo, dignidade e conforto” Vereador Marcelino D’Almeida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *