Opinião

É preciso mudar o SUS, única alternativa de 145 milhões

Rever o SUS na perspectiva do interesse coletivo deveria ser prioridade zero de partidos e candidatos na eleição geral. É fator decisivo na redução das desigualdades

O GLOBO

É paradoxal, mas há três décadas os interesses dessa massa de cidadãos estão mantidos à margem das prioridades políticas. Desde a legitimação do SUS na Constituição de 1988, pela unanimidade dos constituintes, não houve um único partido político, coalizão ou candidato à Presidência que efetivamente tenha, fora da retórica eleitoral, se empenhado em resolver os impasses que asfixiam o sistema de saúde.

A proposta de acesso universalizado aos serviços públicos médicos e hospitalares foi inspirada na experiência da Europa, após a Segunda Guerra Mundial. Da social-democracia alemã ao conservadorismo britânico, partidos elegeram a saúde e a educação como bens públicos, por óbvia repercussão na redução das desigualdades. Hoje debatem adaptações.

No Brasil, aquilo que era boa iniciativa para inclusão social completa 30 anos em estagnação, sob constante ameaça de colapso, por absoluto descaso dos partidos e dos políticos que governaram nas últimas três décadas.

A história do SUS é o retrato desse ciclo de desdém político com a maioria. Foram necessários 12 anos, de 1988 a 2000, para se chegar a um consenso preliminar sobre como financiar o sistema no orçamento da União, estados e municípios. E mais 12 anos para tramitação legislativa da lei de regulamentação. Quando definido, em 2012, veio a devastadora crise fiscal.

É sabido como o país gasta muito mal e de forma injusta em saúde. O Banco Mundial, por exemplo, estima perdas em 0,3% do PIB ao ano, apenas por má gestão. Outros 0,3% do PIB se esvaem sob a forma de subsídios federais às despesas privadas com saúde.

Rever o SUS na perspectiva do interesse coletivo deveria ser prioridade zero dos partidos e candidatos na eleição geral. É fator decisivo na redução das desigualdades. Atribuir ao subfinanciamento do sistema a gênese da sua baixa eficiência é escapismo. Isso levou à tibieza política dos últimos 30 anos. A crise do SUS precisa de respostas objetivas, imediatas e inovadoras, como inclusão de organizações sociais e mesmo da iniciativa privada na gestão compartilhada, com descentralização, transparência e foco na gestão do dinheiro público.

A saída é política. A campanha eleitoral abre aos partidos e candidatos a chance de enfrentar o problema com urgência, racionalidade e equilíbrio. Não lhes é permitido abstrair a realidade: o sistema público de saúde é a única alternativa para mais de 145 milhões de brasileiros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *