Notícias

Covid-19: Risco de contágio passa de moderado para alto no Rio após flexibilização de Crivella

Estudo da UFRJ mostra que taxa era de 1,03, mas subiu para 1,39 em uma semana: ‘O número de casos está subindo’, diz infectologista

xpraia-rio.jpg.pagespeed.ic.57sNM-uMs8
O Globo On-Line – Publicado em 23/06/2020
Foto: Brenno Carvalho / O Globo – 21.06.2020

 

RIO — A prefeitura do Rio diz que a curva de casos de Covid-19 está caindo, o que se tornou a principal justificativa do prefeito Marcelo Crivella para o afrouxamento das medidas durante a pandemia do coronavírus. No entanto, para o infectologista Roberto de Andrade Medronho, a situação piorou. Com a movimentação de pessoas, o estudo do Covidímetro criado pelo Grupo Multidisciplinar da UFRJ, que mostra que o risco de contágio, alerta para o crescimento do perigo de disseminação da doença, que subiu de risco moderado de 1,03 (amarelo) para risco alto de 1,39 (laranja).

O acompanhamento é realizado pelas antenas de celulares que captam a movimentação de cada pessoa. Com isso, o cruzamento de dados da rede com os números reportados geram o chamado número “R”, que é o valor da taxa contaminação. Ou seja, uma pessoa contaminada que sai na rua pode contaminar 1,39 indivíduo atualmente na capital. Antes, a possibilidade estava em 1,03.

— O número de casos está subindo, e a mobilidade está aumentando. O Covidímetro dá uma ideia clara e imediata para que a população tenha noção do risco que está correndo. No momento, é um risco mais alto, e a tendência é aumentar, infelizmente. Agora com as medidas de flexibilização, essa movimentação tem aumentando muito, o que está impactando na taxa de contágio, que é medida através do “R”. Nós estamos em curva de elevação do número de contaminação no nosso município e no nosso estado — disse Medronho em entrevista ao “Bom Dia Rio”, da TV Globo, na manhã desta terça-feira, dia 23.


Covidímetro mostra aumento de casos de contágio na cidade do Rio Foto: Grupo de Multidisciplinar da UFRJ

 

Na capital, já são 50.922 casos confirmados de Covid-19, com 5.875 óbitos, segundo os dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), divulgados na segunda-feira, dia 22.

 

Estado segue alto

De acordo com o infectologista, países que flexibilizaram as ações durante a pandemia só agiram quando as taxas estavam abaixo de um, que mostra que a pandemia tende a terminar. O mesmo não ocorre nem capital, muito menos em todo o estado do Rio.

— Infelizmente, o que estamos assistindo é uma não atenção adequada aos aspectos da ciência. Todos os países que iniciaram as medidas de flexibilização o fizeram com o R abaixo de 1, quando a pandemia tende a terminar. Nós liberamos um R acima de 1, e agora nós estamos subindo cada dia mais. Nós apresentamos o estudo no nosso site para ampla divulgação para as autoridades. Espero que nos ouçam e estamos abertos para conversar com todos os poderes sobre o ponto de vista científico, e não político — frisou Medronho.

Já no estado, os números mostram que o Rio permanece no alerta laranja, ou seja, de alto risco. Na semana passada, a taxa estava em 1,35 e passou para 1,57 em apenas uma semana.

 

 

Covidímetro mostra aumento de casos de contágio no estado do Rio Foto: Grupo de Multidisciplinar da UFRJ

Segundo dados da SES, o Rio registrou nas últimas 24 horas 1.439 novos casos de coronavírus. Desde o início da pandemia, o estado já acumula 97,5 mil casos confirmados da doença. Em território fluminense, já foram registrados também 8.933 vítimas fatais da Covid-19. Nas últimas 24 horas, foram confirmados 58 novos óbitos.

 

Fonte: https://oglobo.globo.com/rio/covid-19-risco-de-contagio-passa-de-moderado-para-alto-no-rio-apos-flexibilizacao-de-crivella-24493737

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *