Notícias

‘Consumo de fake news pode trazer danos à saúde mental’

Alerta é do psiquiatra Jorge Jaber, em entrevista exclusiva ao ViDA & Ação. Ele fala da necessidade de se consumir notícias produzidas por jornalistas e sugere uma nova hashtag: #truenews

fakenews1
Por: Rosayne Macedo
Vida & Ação – 05/11/2018

Há uma semana, o país mergulhava numa polarização ainda maior do que se viu nos últimos anos. De um lado, 35% dos eleitores comemoravam – e alguns até tripudiavam – com fogos e até tiros para o alto a vitória do candidato Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República. De outro, quase o mesmo tanto de brasileiros (a desvantagem foi de pouco mais de 5 milhões de votos se considerar o necessário para se eleger – 50% dos votos válidos mais um), que votou em Fernando Haddad (PT) amargava uma mistura de emoções entre desolação, medo e descrença no futuro do país.

Há meses, a tsunami de fake news (notícias falsas) que tomou conta do processo eleitoral no país – patrocinada por empresas apoiadoras do candidato do PSL, segundo denúncia da Folha de S. Paulo que está sendo investigada pelo TSE – contaminou o processo eleitoral, influenciando e dividindo pessoas. E colocou em cheque a democracia brasileira diante do papel irresponsável de marketeiros e usuários das redes sociais e aplicativos para celular que agiram impunemente, sem que a Justiça Eleitoral tomasse medidas contundentes para freá-los.

Esse clima bélico e hostil também prejudicou a saúde mental de muitos brasileiros, que romperam até mesmo vínculos familiares e de amizade e passaram a conviver com sentimentos ainda mais exacerbados de raiva, ódio, intolerância e preconceitos de toda ordem, causando desalento, angústia, ansiedade, depressão e muito, muito estresse. Haja suco de maracujá, chazinho ou Rivotril para aguentar tamanha pressão!

Mas e agora, o que fazer para não permitir que as fake news – que parecem ter virado canal oficial de informação para uma parcela de políticos e militantes – se instalem oficialmente no território da razão, tornando nossas mentes e corações reféns do medo e da desesperança? Ao ViDA & Ação, o psiquiatra Jorge Jaber, com especialização na Universidade de Harvard e membro da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), faz um balanço sobre a saúde mental do consumidor de informações neste período pós-eleitoral e sugere uma nova hashtag: #truenews.

1 – O que esse clima de ódio, medo e intolerância pós-eleições pode causar à saúde mental dos eleitores/cidadãos?

A saúde mental é caracterizada pelo bom funcionamento do aprendizado, incluindo aí a memória, pela existência de comportamentos saudáveis que possam preservar a vida, pela integridade do pensamento e pela modulação adequada dos sentimentos. Toda vez em que os sentimentos normais como medo, tristeza, alegria, raiva, ansiedade se manifestam de forma excessivamente intensa há uma forte tendência ao adoecimento mental.

2 – Apenas pessoas que já sofrem com problemas como depressão, ansiedade ou síndrome do pânico podem sofrer esses efeitos?

O adoecimento mental ocorre por alterações no funcionamento cerebral associadas a influências do meio ambiente. Aqueles que já têm uma enfermidade claramente estabelecida tendem a piorar dentro de um ambiente de exacerbação de sentimentos e ações descabidas. Por exemplo, uma pessoa que esteja sofrendo de ansiedade, ao perceber manifestações públicas fisicamente hostis, com embates e agressões físicas, tende a piorar da sua doença. Quem tem síndrome de pânico desmaia, grita, em uma multidão. Os mais equilibrados tendem apenas a sair do local do conflito.

3 – Como enfrentar os sentimentos de impotência, medo, ansiedade que rondam as pessoas nesse pós-eleição?


Jorge Jaber é psiquiatra com especialização em Harvard e especialista em dependência química (Foto: Divulgação)

Depressão, ansiedade, medo são sentimentos que podem nos proteger de inimigos mais fortes, evitando que sejamos expostos a situações não-saudáveis, e proporcionando um recuo estratégico para, num momento posterior, assumir posições mais eficazes. Para essas circunstâncias, é recomendável a ajuda de profissionais especializados em saúde mental. Sensações de medo, impotência e ansiedade estão muito ligadas ao mecanismo de depressão que, com frequência, se manifesta de maneira saudável, ou seja, levando o indivíduo a conter seus impulsos inadequados. A depressão faz recuar e evitar exposição desnecessária.

4 – Dicas para evitar os confrontos e conflitos gerados com familiares e amigos nas redes sociais e preservar sua saúde emocional

Existe um ditado popular de grande eficácia que afirma: ‘quando um não quer, dois não brigam’. Portanto, a primeira e mais importante medida a se tomar, quando o conflito verbal se manifesta de maneira descontrolada, é romper temporariamente a comunicação – pode-se botar o interlocutor no modo soneca por 30 dias, o famoso “ficar de mau”, evitando-se desfazer amizade ou bloquear o contato. É bom não esquecer que estamos todos no planeta azul e juntos vamos precisar melhorá-lo.

5 – Como as fake news podem abalar a saúde mental?

As chamadas fake news são fruto da moderna comunicação, surgida através das mídias sociais. Na verdade, são mentiras que no passado eram chamadas de fofocas maledicentes, que sempre tiveram como objetivo desestabilizar o poder de uma outra pessoa. Uma adaptação da fofoca unida à má-fé foi usada de maneira sistemática para divulgação de inverdades e destruição de candidatos políticos. Frequentemente, esse tipo de comunicação parte de uma premissa desonesta que instaura a insegurança naqueles que recebem a informação. O resultado deste tipo de prática é que o conteúdo do pensamento humano, que tem se desenvolvido através de milênios para que o homem usufrua melhor da vida, fica contaminado, determinando até mesmo a manifestação de doenças mentais.

6 – Então, como saber em que/quem acreditar?

A imprensa tem compromisso com a verdade, tem técnica para gerar informações – jornalistas procuram gerar conteúdo claro, correto e conciso. Há erros? O jornalismo sempre corre um risco calculado, quando carrega nas tintas e publica algo alarmista, ou quando não tem tempo de checar todos os lados de uma situação antes de dar visibilidade ao fato e isso soa de forma maligna. Mas, em geral, faz a errata e se corrige na sequência. A diferença entre a fake news e o erro jornalístico é que neste a ética sempre persiste porque o jornalista precisa publicar a versão certa de imediato quando divulga alguma incorreção.

O consumo de informação falsa pode trazer danos à saúde. Algumas doenças mentais podem entrar pelo ouvido e sair pela boca. É importante chamar atenção para o fato de que o nosso cérebro guarda informações vitais para nossa sobrevivência e, como faríamos com um cofre valiosíssimo, não devemos permitir que informações de menor valor destruam aquelas que verdadeiramente sustentam a existência humana. Pensamentos que reforçam valores como a solidariedade, o respeito, o amor ao próximo, o reconhecimento que mesmo os menos capazes tem algo a lhe ensinar.

7 – Como não se deixar contaminar pelas notícias falsas?

Para que consiga maior serenidade e segurança na busca pela verdade, o internauta deve procurar ser mais criterioso ao compartilhar uma informação e não apenas reproduzir algo em que acredita.  Sugiro que todos aproveitem as mídias sociais para levantar a hashtag #truenews, que valorize informações devidamente checadas por profissionais especializados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *