Dr. Newton Richa

Cultura de Saúde

Por Dr. Newton Miguel Moraes Richa – Médico do Trabalho

Conhecendo melhor a vitamina D

فيتامين-د-للشعر-8

Em virtude de suas numerosas funções no organismo, níveis adequados de vitamina D são necessários para manter a saúde. Ela protege os ossos, interagindo com as glândulas paratireoides no controle da concentração sanguínea de cálcio e fósforo; fortalece o sistema imunológico, assegurando imunidade contra doenças infecciosas e proteção contra doenças imunológicas. Contribui ainda na prevenção de câncer no intestino grosso, próstata e mama.

A principal fonte de vitamina D é a exposição à radiação ultravioleta B emitida pelo sol, por cerca de 15 a 20 minutos, três vezes por semana. Ela não está presente em muitos alimentos e, por essa razão, é adicionada. Os alimentos mais ricos em vitamina D são o óleo de fígado de bacalhau, o salmão e alguns peixes. Os vegetarianos e as pessoas intolerantes à lactose devem tomar suplementos nutricionais, porque têm dificuldade em obter vitamina D suficiente em suas dietas.

Estudos e pesquisas recentes têm mostrado que níveis adequados de vitamina D previnem o aparecimento e podem ajudar no tratamento de diversas doenças comuns na população, como hipertensão arterial, diabetes mellitus, infecções em geral, doenças imunológicas como a esclerose múltipla e certos tipos de câncer. A suplementação de vitamina D deve ser ajustada para cada pessoa, por médico com experiência nessa área.

Doenças como fibrose cística, doença de Crohn e doença celíaca podem causar deficiência de vitamina D, por impedirem sua absorção intestinal, bem como as cirurgias para perda de peso, pela redução do tamanho do estômago e desvio do bolo alimentar no intestino delgado, dificultando a absorção de nutrientes. Essas pessoas precisam ser cuidadosamente acompanhadas por seus médicos e tomar vitamina D e outros suplementos por toda a vida.

A obesidade está associada a baixos níveis de vitamina D, porque as células gordurosas a retém, inativa, no seu interior. Pessoas obesas devem tomar doses mais elevadas para manter os níveis normais. A capacidade da pele em produzir vitamina D diminui com a idade. A pele mais escura é menos capaz de produzir vitamina D que a pele clara. A alimentação do bebê deve ser complementada com outros alimentos nos primeiros meses de vida, porque o leite materno contém pequenas quantidades de vitamina D.

Diversos medicamentos podem causar deficiência de vitamina D: laxativos; esteróides (prednisona); drogas para reduzir o colesterol (colestiramina e colestipol); anticonvulsivantes (fenobarbital e fenitoína); drogas antituberculose (rifampicina) e drogas para perda de peso (orlistate). Por causa disso, as pessoas devem informar a seus médicos sobre medicamentos, suplementos nutricionais, ervas e produtos alternativos que consumiram ou estão consumindo.

A suplementação de vitamina D deve ser acompanhada de cuidadosa hidratação corporal. Para calcular a necessidade diária de água, a pessoa deve multiplicar seu peso em quilogramas por 35, para obter o valor em mililitros. Assim, uma pessoa com 70 Kg de peso deve ingerir 2,850 litros de água diariamente (70×35=2850 ml). As informações sobre a vitamina D, que todas as pessoas devem saber para melhor e proteger sua saúde e de sua família, reunidas neste artigo, foram extraídas do texto on-line* publicado pela Cleaveland Clinic, dos EUA.

 

*Fonte: https://my.clevelandclinic.org/health/articles/15050-vitamin-d–vitamin-d-deficiency

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *