Notícias

Cerca de 70% das quedas, que provocam fraturas no idoso, acontecem em ambiente doméstico

Old-Fall-Cane-By-LightField-Studios-scaled-e1589192728417
Por Fernanda Machado (estagiária)*

 

Independente da idade, todas as pessoas correm o risco de cair. Porém, na terceira idade, uma queda pode representar um problema grave, levando inclusive a limitações funcionais que antes não existiam. O Brasil, em dez anos, chegará a 38,5 milhões de idosos (17,4% do total de habitantes). Em 2042, a projeção do IBGE é de que a população brasileira atinja 232,5 milhões de habitantes, sendo 57 milhões de idosos (24,5%). Em 2031, o número de idosos (43,2 milhões) vai superar, pela primeira vez, o número de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos (42,3 milhões).

A estimativa de quedas entre idosos é difícil de mensurar, pois grande parte delas tem seu atendimento negligenciado. As quedas por traumas banais frequentemente não são levados à emergência. Às vezes, as queixas do paciente são pouco valorizadas e, em outras, o diagnóstico tardio de fraturas podem levar a complicações futuras. 

— Cerca de 70% das quedas, que provocam fraturas no idoso, são em ambiente doméstico. Além da perda de massa muscular e óssea, decorrente do envelhecimento do sistema músculo esquelético, tapetes, quinas de mesa, objetos pelo chão são as causas mais frequentes das quedas — alertou o Dr. Carlos Eduardo Franklin, Presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot-RJ).

O médico também afirmou que pequenos cuidados domésticos podem prevenir grande parte dessas fraturas, como: evitar chinelos, deixar um copo de água na cabeceira da cama, manter alguma luz acessa durante a noite e retirar tapetes e móveis dos percursos domésticos mais frequentes (como banheiro e cozinha). Além disso, adaptar a casa para aumentar a segurança, como colocar pisos domésticos preferencialmente sem degraus e instalar barras de segurança nos banheiros, o que também pode ajudar a diminuir os riscos de acidentes. 

Exercícios físicos são importantes em qualquer idade e, no caso dos mais velhos, são fundamentais para o fortalecimento muscular e para a prevenção da osteoporose. Logicamente, respeitando as limitações e a capacidade física individual.

Em caso de queda, os idosos têm um risco maior de se machucar gravemente. Por isso, se houver suspeita de fratura, eles devem ser levados a um atendimento médico para avaliação de um especialista. Ter bastante cuidado no deslocamento do paciente até o hospital é de suma importância para evitar o agravamento das lesões.

Dr. Carlos Eduardo Franklin ressaltou ainda que o Brasil está envelhecendo. Cerca de 350 mil fraturas em idosos são diagnosticadas anualmente no país. E, muitas delas necessitam de tratamento cirúrgico, o que eleva consideravelmente a incidência de sequelas e de óbitos por se tratarem de pacientes que geralmente já apresentam outras patologias associadas, como hipertensão e diabetes. Por isso, a prevenção continua sendo a melhor opção.

 

*Sob a supervisão de Juliana Temporal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *