Dr. Newton Richa

Cultura de Saúde

Por Dr. Newton Miguel Moraes Richa – Médico do Trabalho

A Saúde segundo a definição da Organização Mundial de Saúde

shutterstock-786114658

É o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não a simples ausência de doença e enfermidade. Essa definição clássica, representada na figura 1, integra os aspectos físicos, mentais e sociais, que interagem no estabelecimento do nível de saúde das pessoas, segundo uma visão holística validada pelos conhecimentos atuais.

Figura 1- Definição de Saúde da OMS (1948)

O corpo e a mente estão ligados pelo sistema nervoso. Assim, o exercício físico regular promove a melhoria do humor, da qualidade do sono e da memória, bem como a redução do estresse e da depressão, entre outros benefícios na esfera mental. Em situação de forte ansiedade, uma pessoa pode ser acalmada se orientada a relaxar e a controlar a respiração pelo prolongamento da expiração em relação à inspiração, levando mais tempo para exalar do que para inalar o ar. Isso desloca a atenção para o controle da respiração, alivia a tensão emocional e restabelece a calma.

Evidenciando a ação do mental no físico, a depressão psíquica enfraquece o sistema imunológico, favorecendo a ocorrência de doenças infecciosas, e o estresse pode desencadear doenças psicossomáticas como a asma e a úlcera duodenal.

Na Europa e Estados Unidos, pesquisas recentes evidenciaram a influência dos aspectos sociais na saúde, mostrando que as boas relações sociais, as amizades autênticas, contribuem para a longevidade saudável, enquanto que as emoções negativas, como o medo, a culpa, a raiva, a impaciência e o ressentimento nos fazem adoecer precocemente. Na cultura oriental, isso não é novidade. Há muito tempo, a Medicina Budista interpreta a doença como resultado de emoções negativas.

Em seu livro PNL e Saúde, Ian McDermott e Joseph O’Connor citam a crença dos japoneses intitulada amae, de que o bem-estar de uma pessoa depende da colaboração e da boa vontade do seu grupo. Estudos em japoneses residentes nos Estados Unidos mostraram que essa crença compartilhada os protegia de doenças relacionadas à alimentação desequilibrada.

A concepção dos seres humanos como entes biopsicossociais é fundamental para a compreensão de que os níveis de saúde são resultantes complexas das interações de fatores genéticos, nutricionais, ambientais, educacionais, sociais e emocionais que ocorrem ao longo da vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *