Notícias

A melhoria da produtividade em saúde

produtividadesaude

produtividadesaudeAtravés da imprensa constata-se que o sistema de saúde no estado do Rio de Janeiro encontra-se caótico.

Hospitais fechados, centro cirúrgicos com goteiras, pessoal da saúde em greve, estudantes universitários sem aulas, alas inteiras fechadas por falta de recursos, medicamentos e próteses em falta, ou perdendo a validade, ou não sendo distribuídos, falta de pessoal adequado, equipamentos sem utilização ou permanentemente quebrados, lixo pelos corredores e, finalmente, a existência de unidades de saúde semi acabadas espalhadas pelo interior e pelas áreas mais carentes.

Por outro lado, filas intermináveis, pacientes sem atendimento ou internados em macas quando não no chão, mortes na porta dos hospitais, pacientes abandonados, ambulatórios superlotados, sem roupa de cama, sem comida, UTI infantil quebradas, pacientes retornando às suas residências sem serem sequer atendidos, e outras tragédias igualmente revoltantes, envolvendo usuários, são queixas diárias noticiadas na imprensa. Algumas das críticas são extensivas também, à rede privada.

A falta de recursos e o aumento da demanda tem sido um argumento constante dos gestores e das autoridades responsáveis, e as respostas tem sido sempre as de que os escassos recursos existentes, quando são disponibilizados,  estão sendo aplicados na tentativa de contornar as queixas mais urgentes.

 

Não se cogita por exemplo, de soluções que possam minorar boa parte dos atuais problemas, sem depender de custos, no aumento da produtividade com a implantação de procedimentos modernos de gestão.

Existem atualmente soluções possíveis de serem implantadas sem custos, sendo entre eles, as mais relevantes o sistema LEAN de gestão, e a concepção usuário-cêntrica de operação.

Inúmeros exemplos, tanto em outros países, como no Brasil, vem demonstrando resultados significativos, tanto em relação à redução de custos, como no aumento da qualidade dos serviços médicos prestados, com utilização destas metodologias simples porem muito eficazes.

Resumidamente os conceitos do sistema de gestão LEAN são:

A exigência prévia de um diagnóstico da situação atual, e a definição de metas a serem alcançadas.

Necessidade de que todo o pessoal envolvido tenha consciência de que existe desperdício em todos os processos, e que a padronização dos métodos de trabalho é condição básica para a busca da perfeição.

A exigência do engajamento de todos os profissionais envolvidos na prestação dos serviços, com conhecimento tanto do papel que desempenham quanto do seu valor no processo, e da necessidade de interações entre si.

Eliminação de métodos individuais.

Levar os gestores, funcionários e usuários a resolver problemas, a eliminar desperdícios e tempos ociosos, e implementar o conceito de melhoria continua de processos operacionais – para agregar valores novos.

É necessário a procura de soluções proativas para as causas dos problemas, e para a eliminação de desperdício, sem escondê-los ou disfarça-los, visando a melhoria continua como objetivo primordial.

Tais objetivos devem ser obtidos com uma estrutura compacta, lógica, e cuidadosamente organizada.

Existe toda uma metodologia específica para implantar estes conceitos LEAN.  No entanto, um primeiro passo na implantação do sistema LEAN é tentar alcançar:

  • Metade dos erros
  • Metade das infecções
  • Metade dos danos aos pacientes
  • Metade do tempo de espera
  • Metade do tempo dentro da unidade
  • Metade da rotatividade dos funcionários
  • Metade do custo
  • Metade do espaço necessário
  • Metade das reclamações de usuários e funcionários

 

Já para a implantação do conceito usuário-cêntrico são necessárias as seguintes características:

Metas focadas nas expectativas do usuário

A experiência dos usuários deve começar antes de sua chegada à unidade

Eliminar atrasos e mal-entendidos

Preparação e controle de qualidade prévio antes dos procedimentos clínicos e cirúrgicos

Trabalho em equipe com foco nos usuários

Valorizar o papel da família e dos acompanhantes

Transparência  quanto a responsabilidade do usuário nos cuidados pós procedimento

A participação ativa do pacientes e de seus acompanhantes no tratamento.

 

Este conjunto simplificado de características é o caminho de como, reformando a gestão sem custos, é possível melhorar a produtividade de unidades de saúde, minimizando os problemas atualmente verificados no atendimento da população.

No entanto, é preciso ter em mente que cada caso é um caso, e que cada um exige uma estratégia específica, própria e diferente para sua solução.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *