Coluna Cultura de Saúde

A Gestão de Saúde em Cinco Níveis de Atuação

Coluna Cultura de Saúde
Dr. Newton Miguel Moraes Richa - Médico do Trabalho

A Gestão de Saúde em Cinco Níveis de Atuação

Em seu livro “Preventive Medicine for the Doctor in his Community”, os sanitaristas americanos Hugh R. Leavell: e E. Gurney Clark apresentaram um modelo de gestão de saúde baseado em cinco níveis de atuação, que constituem barreiras ao aparecimento e à evolução das doenças em geral. Sua divulgação é necessária para alertar a população, principalmente os políticos, que não se resolve saúde apenas com assistência médica.

A efetiva proteção da saúde da população exige um conjunto de medidas preventivas e corretivas, hierarquizadas da seguinte maneira:

1- Medidas Preventivas Gerais: compreendem medidas para aumentar o bem-estar e melhorar os níveis de saúde, tais como condições adequadas de saneamento básico, nutrição, moradia, trabalho, transporte, recreação, educação e aconselhamento em saúde.

2- Medidas Preventivas Específicas: consistem em medidas aplicáveis a um perigo específico, visando evitar que atinja o organismo, tais como vacinação antitetânica, enclausuramento de fonte de ruído, blindagem de fonte radioativa e uso de equipamentos de proteção individual.

As Medidas Preventivas Gerais e Específicas são estabelecidas antes da ocorrência das doenças. A ênfase nessas ações é essencial para a melhoria dos níveis de saúde da coletividade, porque eliminam ou reduzem as causas das doenças.

As Medidas de Prevenção Gerais e Específicas geralmente transcendem a competência dos profissionais de saúde e exigem a participação de outros profissionais tais como engenheiros, químicos, físicos, arquitetos, economistas, administradores e outros profissionais para seu planejamento e execução.

3- Diagnóstico precoce e pronta intervenção: abrangem as medidas utilizadas para: diagnosticar a doença na fase mais precoce possível e evitar seu agravamento; evitar contaminação de terceiros, se a doença for transmissível; e restabelecer, no prazo mais curto possível, as condições de saúde. Os procedimentos adotados no Exame Médico Periódico constituem um bom exemplo.

4- Limitação do dano: consiste no tratamento clínico ou cirúrgico para evitar o agravamento de lesões e de doenças para estágios avançados, bem como na aplicação de primeiros socorros para manutenção da vida e prevenção de complicações nas emergências médicas.

5- Reabilitação: compreende os procedimentos destinados à reintegração do trabalhador ao efetivo produtivo da empresa. É executada após a estabilização das alterações anatômicas e fisiológicas decorrentes da doença ou lesão que provocou incapacidade permanente.

No Brasil, atuamos principalmente nos níveis 4 e 5, após a eclosão da doença, na perspectiva de suprimir os sintomas e sinais (efeitos), sem tocar nas causas básicas. O uso intensivo de medicamentos, como praticado no país, contribui para a ocorrência de doenças resultantes dos seus efeitos colaterais. As intervenções cirúrgicas podem também causar danos. A experiência internacional ensina que os níveis de saúde da população só se elevam quando os agravos á saúde são prevenidos em massa, por meio das medidas preventivas descritas acima.

Saúde: melhor compreender para melhor cuidar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *